Dia da Literatura Brasileira

Mais um feriadão na área e a homenagem da vez é merecidamente dedicada aqueles que fazem de todo dia um dia de luta, os trabalhadores.

Contudo, o dia 1o de Maio também é dedicado à Literatura Brasileira. A data foi escolhida em razão do nascimento de José de Alencar, o exemplo máximo do Romantismo. Quem nunca leu “O Guarani” na escola?O Guarani

E é exatamente à este ambiente que muitos de nós associamos a literatura nacional. Lá aprendemos a dividir a nossa literatura em fases : Barroco, Romantismo, Parnasianismo, Modernismo e outros que não lembro o nome agora. Mas geralmente, depois do vestibular, terminamos por deixar isso relegado a algum lugar distante na memória, mas algumas coisas ficam pra sempre. As descrições hiper detalhadas dos cômodos que serviram de palco para a devoção do índio Perí. O pulsar quase vivo do cortiço de Aluízio de Azevedo. E afinal Capitu, traiu ou não traiu? Eis a dúvida perpétua, não é mesmo? Rs

Mas não são só de Clássicos que vive nossa literatura. Eu lembro muito de dois livros paradidáticos que me encartaram na época da escola. “O escaravelho do Diabo”, uma história repleta de suspense, assassinatos, reviravoltas, fiquei fissurada pelo livro! E um outro cujo nome não recordei e o Oráculo (conhecido também como Google) também não localizou, mas era um livro sobre um menino verde limão. Acho que tratava sobre as diferenças e coisas do gênero, aquelas que devemos aprender a lidar quando crianças.

Lúcia Machado de Almeida - O escaravelho do diabo (1982-1992, Editora Ática, Coleção Vaga-lume)

Sobre o “hoje” literatura nacional, tenho a impressão que vivemos um momento muito bacana. Tem para todos os gostos. A cada dia leio o nome de um autor que desconhecia, uma série que nunca ouvira falar.

Quer terror? Temos o André Vianco e sua trupe, atualmente publicados pela Editora Novo Século, que tem investido bem nesse ramo.

Esse ano fui oficialmente apresentada ao texto do Daniel Galera, que adorei, como podem conferir aqui.

Outro dia minha mãe anotou o nome de uma autora, Ana Paula Maia, que segundo ela eu iria gostar (Talvez pelo fato dela ser influenciada por Tarantino, vou descobri e conto por aqui) e há algumas semanas li uma reportagem que citava o até então desconhecido (para mim) Raphael Montes como um dos grandes nomes da literatura policial nacional, o que pretendo conferir em breve também.

Mas também sei a dificuldade que muitos autores tem de se veem publicados e reconhecidos. É um ramo cruel!

1233680225_j-borges-mo-a-roubada-48x66cm-xilo_(500x350)E para fechar, outra faceta da literatura nacional que muitas das vezes é deixada em segundo plano, a Literatura de Cordel. Tão linda! Tão nossa! A gravura ao lado, por exemplo, é de autoria do pernambucano José Francisco Borges. E ainda achei um site que disponibiliza diversas histórias para download.

Segue o link: http://canaldoensino.com.br/blog/40-livros-gratis-de-literatura-de-cordel .

E viva a literatura nacional! ( E por livros nacionais mais baratos tb!)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s